Utilizar ainda melhor o potencial de otimização

jun 2018

notícias e ações

Editorial Verkehrssicherheitsreport 2018

Embora alguns acidentes individuais graves sejam bastante divulgados através dos meios de comunicação social, a tendência a longo prazo é clara: os veículos utilitários são cada vez mais seguros, o número de acidentes com feridos e/ou danos materiais diminuiu significativamente. Exemplo da Alemanha: de acordo com os dados do Serviço Federal de Estatística, o número de acidentes com feridos envolvendo veículos pesados de transporte de mercadorias passou de cerca de 36 650 para 29 350, entre 2005 e 2016. Isto significa uma redução de 20 %. O número de mortos em acidentes com veículos pesados de transporte de mercadorias diminuiu, neste espaço de tempo cerca de 35 %, de 1160 para 745. Considerando o forte aumento de tráfego de veículos pesados de mercadorias, trata-se de um sucesso considerável. Nos outros Estados-membros, a evolução parece ser igualmente positiva.

Naturalmente, não há motivo para baixar os braços. O cerne da questão é: especificamente, os acidentes com veículos pesados de mercadorias com mais de doze toneladas, devido às suas grandes dimensões, são frequentemente associados a consequências particularmente graves para todos os envolvidos – por um lado, para o próprio motorista e, mas principalmente também para os condutores de veículos ligeiros de passageiros, bem como para utentes da estrada desprotegidos, como peões ou ciclistas. Tal é comprovado pelos seguintes valores referentes à Alemanha: das vítimas de acidentes com veículos pesados de mercadorias em 2016, cerca de 9500 eram ocupantes de veículos pesados de transporte de mercadorias e cerca de 30 800 outros utentes da estrada. Do total de vítimas mortais, 133 eram ocupantes de veículos pesados de transporte de mercadorias e, mais uma vez, 612 eram outros utentes da estrada. O risco de morrer num acidente com um veículo pesado de mercadorias é quatro vezes e meia maior para os outros envolvidos no acidente do que para os ocupantes do veículo pesado de transporte de mercadorias. As colisões traseiras que infelizmente continuam a suceder no final de filas de trânsito evidenciam a potencial gravidade das consequências.

Graças aos significativos progressos por parte dos fabricantes, por exemplo, no que respeita aos sistemas de assistência ao condutor, muito tem vindo a ser conseguido, nos últimos anos. No entanto, o potencial de segurança ativa e passiva dos veículos utilitários deve ainda ser explorado de modo mais eficiente, a fim de garantir que ninguém sofre ferimentos ou perde a vida num acidente rodoviário. Além disso, os acidentes não significam só sofrimento humano, mas também um enorme prejuízo financeiro para os envolvidos, para a economia e para a sociedade, como um todo.

Este relatório mostra inúmeros exemplos de locais onde é necessário utilizar melhor o referido potencial, por todo o mundo, abrangendo não só a área da tecnologia automóvel como também as pessoas e as infraestruturas. Como tal, este relatório deve ser muito mais do que uma resenha de factos sobre a situação presente. Em vez disso, a publicação deve provocar a refiexão e ser um guia para peritos da área da política, do trânsito e das infraestruturas, para fabricantes e instituições científicas, bem como para associações e todos os utentes da estrada.

Partilhar página